Filosofia Socialista – O Objetivo é Desconstruir

0

Atualmente muito se fala no mundo de processos socialistas para a tomada do poder. Ora, não só no Brasil, mas também nos países chamados desenvolvidos como nos países da Europa, Estados Unidos e Canadá, a filosofia socialista está crescendo e se alastrando.

É bem verdade que as concepções socialistas, de Karl Marx e Friedrich Engels, se ajustaram às novas realidades do século XX e XXI. Hoje os idealizadores do socialismo seguem Antonio Gramsci, que acabou sintetizando, em seus estudos, como proceder para a nova tomada do poder socialista, agora em um mundo cada vez mais globalizado.

O surgimento da filosofia socialista, de certa forma, combatia os exageros de uma sociedade capitalista que explorava os empregados, fenômeno que ainda acontece em nossos dias. No entanto, nas nações onde o socialismo conseguiu o poder, acabou praticamente destruindo o potencial real de crescimento econômico da população e do país, à medida em que os operários não puderam buscar efetivamente o desenvolvimento profissional. Isto tanto é verdade que boa parte dos países socialistas, em especial do leste europeu, acabaram sucumbindo em função da desconstrução das sociedades destes países, seguindo o ideário socialista. Não se pode menosprezar o método absurdamente escravagista que estas nações socialistas tratam seus cidadãos: não podem ter voz, a imprensa é totalmente controlada, o cidadão passa a ser somente um número.

As nações do leste europeu, em especial, mais recentemente mudaram seus regimes, se bem que ainda estão aprendendo sobre a democracia. No entanto ainda temos nações, como Cuba, onde o regime socialista escravagista impera. E, sem dúvida, nestes regimes, o cidadão não tem voz (não são cidadãos) e sim, reforço aqui, um componente do estado (um número).

Importante observar que praticamente em todas as nações socialistas, é sempre uma minoria, a camarilha, quase sempre convivendo com a corrupção, que comanda e, os membros deste pequeno grupo que se sucedem na liderança: vejam o caso atual da Venezuela, um país com grandes perspectivas, destruído pelo socialismo, sem falar das ditaduras de Cuba, como havia comentado, e da Coréia do Norte.

Faço aqui um parêntesis para comparar a filosofia socialista, em sua prática, com a filosofia defendida por Platão (século V antes de Cristo). Platão dizia que a ética é diferente para cada tipo de cidadão: há os governantes que governam, os militares que asseguram a segurança do estado e há os artesãos e agricultores que, acima de tudo, devem obediência e subserviência ao governo. Ora, apesar das diferentes funções de hoje em nossas sociedades, no regime socialista o paralelo a este antigo é absurdamente apropriado.

A derrocada de vários países socialistas não fez com que os ideólogos desistissem da dominação e, agora, em especial utilizando Gramsci, os ideólogos estão, como vírus, atuando na desconstrução do mundo e da família.

A nova educação, por exemplo, que a filosofia socialista tenta implantar em nosso país e no mundo, é exatamente a da desconstrução. Aliás, é importante mencionar, a educação no Brasil está pior a cada ano que passa. Esta filosofia diz que os alunos não podem ser subservientes e que os valores culturais devem ser salientados. Veja a hipocrisia: as tradições no Brasil são as festas juninas, Natal, Páscoa, dia das mães, etc. Na filosofia da desconstrução não podemos mais comemorar estes dias, pois podemos inibir os não cristãos, por exemplo. Democracia é o governo da maioria, sempre respeitando as minorias, não é?

Outra desconstrução é a da família: alguns movimentos feministas, interesseiros e obtusos, sempre regiamente patrocinados, inclusive pelo governo brasileiro, pregam o direito da mulher para a escolha, me refiro aqui ao aborto de uma vida. Ora, que direito é este que exclui e elimina uma vida, a mais indefesa?

A ideologia de gênero é outro fator desagregador da família. Aqui também alguns grupos, financiados pelo governo brasileiro e entidades internacionais, lutam pelos direitos dos homossexuais. Sem dúvida o objetivo é destruir a família e não garantir direitos, mesmo sendo contra a própria natureza humana. Os homossexuais, como disse o papa Francisco, merecem a nossa acolhida cristã, mas devem permanecer com suas vidas na castidade.

A própria destruição da religião cristã é um dos objetivos dos socialistas. Hoje se questiona o porquê dos crucifixos nas repartições públicas e escolas, pois devemos respeitar aqueles que não são cristãos. Novamente estes ideólogos não respeitam a democracia, a qual também querem destruir. No caso do Brasil, por exemplo, onde praticamente 90% da população é cristã, a democracia significa respeitar o direito da maioria, ou não?

Listei assim apenas alguns objetivos da desconstrução, existem outros mais que pululam a nossa vida cotidiana, em especial aqui no Brasil. Não podemos esquecer da propaganda esquerdista, sempre falsa, abundante e presente neste tipo de ditadura mundo afora, fazendo parecer que o errado é o certo.

Devemos continuar a busca por uma sociedade mais justa, sem dúvida, mas não à custa da democracia e do desrespeito aos mais elementares direitos dos seres humanos: poder dizer o que pensa; ir para onde desejar; poder praticar o seu credo; e, ser respeitado como ser humano, pela sua própria natureza, com suas vontades e crenças. Por tudo isto fica evidente que o objetivo do socialismo é a desconstrução para que uma minoria que assume o poder possa ditar o que o povo deve, ou não, fazer, eliminando o direito do livre pensar, e outros direitos, inalienáveis a qualquer ser humano.

*Roberto Vertamatti é coordenador da Defesa da Vida da Diocese de Santo André.

Sobre o Autor

Para para contribuir com nossos trabalhos nos contate pelo e-mail comunicacao@setorjuventudesa.com.br.

Os comentários estão fechados.

Comente pelo Facebook