O que as mulheres da Bíblia podem ensinar nesse 8 de março

0

Por Tatiane Sepulvedra.

Neste Dia da Mulher, além de parabenizar a todas, queremos fazer memória a algumas figuras femininas que aparecem nas Sagradas Escrituras e nos fazem reconhecer que temos muito o que aprender com elas, tanto em seus acertos quanto em seus erros.

A primeira mulher que aparece na Bíblia é Eva. No livro de Gênesis, vemos a criação de tudo e, após criar a mais bela delas: o homem, Deus quis lhe dar uma auxiliar à altura, pois viu que o homem estava só (Cf Gn 2,18). De acordo com o dicionário, a palavra auxiliar, significa cooperadora, ajudadora, favorecedora. Isso mostra que um dos aspectos da mulher é que ela é chamada a ajudar, cooperar e favorecer. Na história de Eva, entretanto, podemos ver o quanto a mulher tem um certo poder de influência e, mais que isso, devemos perceber que podemos usar isso para o bem ou para o mal, depende de nós. No caso de Eva, ela errou, mas depois de seu erro, houve uma esperança. Ela sabia que era culpada, mas poderia servir a Deus, que é misericordioso e perdoador. Eva geraria filhos e seria mãe de todos os seres humanos e isso lhe trouxe um novo raio de luz.

Temos também o exemplo da Rainha de Sabá, que era uma mulher riquíssima. Diz o relato bíblico que, tendo ouvido falar sobre a vasta sabedoria de Salomão, ela viajou cerca de dois mil quilômetros montada num camelo para visita-lo, pois ela própria mostrava ter fome e sede de sabedoria. Quando conseguiu encontra-lo expos seus pensamentos e tentou provar a inteligência e sabedoria do rei com complexas perguntas difíceis e ele respondeu todas. Além de provar sua sabedoria, a Rainha de Sabá pôde aproveitar, provavelmente, uma oportunidade de aprofundar seus aprendizados. Observando essa mulher decidida e corajosa, lembramos de tantas mulheres que almejam a alcançar sabedoria e sempre agir com confiança e coragem.

Partindo um pouco para o Novo Testamento, vemos as irmãs Marta e Maria, cuja passagem em Lc 10,38-42 nos mostra que Jesus foi à casa delas para comer. Quando Jesus chegou, Marta estava ocupada com os afazeres de casa enquanto Maria se sentou aos pés do Senhor e escutava Sua palavra. Nisso podemos observar que Marta era uma mulher prática, realizadora, determinada, daquelas que começa e faz acontecer tudo o que propõe a fazer; Já Maria, por sua vez, era do tipo contemplativa, atenciosa, com certeza uma boa amiga ouvinte.
Marta, então, reclama de Maria para Jesus, pois, ela não estava a ajudando, ao que Jesus responde que Maria escolheu a melhor parte. Essa resposta de Jesus vem nos “acordar” para o que realmente é necessário, afinal, de que adianta ter a “casa limpa” se o essencial não estiver nela? É claro que precisamos organizar nossas coisas, precisamos ser como Marta, mas precisamos ser muito mais como Maria, aproveitando o tempo que nos é dado, organizando da melhor forma possível para não perdermos o essencial.

Teríamos ainda muitas mulheres das Sagradas Escrituras para citar, ou tantas Santas que são exemplos para nós, mas encerramos citando a mais linda e virtuosa de todas as mulheres, símbolo e exemplo de feminilidade, nossa nossa Mãe Maria, que em tudo soube fazer a vontade de Deus. No silêncio, na espera, no sofrimento e em tudo glorificou ao Senhor.
Maria sempre foi paciente e prestativa, não invejou, não ostentou, não se encheu de orgulho, nunca foi inconveniente, nem buscou seus próprios interesses, não há relatos sobre alguma irritação dela, nem sobre mágoas e rancores. Se desejamos ser novas mulheres, ela é o nosso maior exemplo.

Que a nossa mãezinha nos inspire a sermos sempre mulheres virtuosas e fieis a DEUS!
Feliz dia das MULHERES!

Fonte: Livro – Mulheres na linha – Moninha Quintero

Sobre o Autor

Os comentários estão fechados.

Comente pelo Facebook