Pokémon Go e seus perigos

1

Por Camila Vitor.

O aplicativo Pokémon Go, a febre mundial da vez, é um jogo para celular em que cada jogador deve andar por aí tentando capturar criaturas fictícias chamadas Pokémon – o termo vem do inglês “pocket monster“, que significa “monstro de bolso”. O diferencial é que o mundo por onde os jogadores vagam é o seu próprio entorno real: mediante recursos do celular como a câmera e o GPS, o aplicativo tem acesso a informações reais sobre a localização de cada usuário e, com base nelas, adiciona “realidade aumentada” ao jogo. Assim, aparecem na tela os arredores verdadeiros do jogador, captados pela câmera e mapeados pelo GPS, e o aplicativo sobrepõe ao cenário os monstrinhos virtuais, que devem ser perseguidos. O jogador, portanto, precisa se locomover fisicamente para capturá-los.

As proporções desta febre podem ser medidas por um fato peculiar: um dos maiores sites de pornografia do mundo felicitou a Nintendo, criadora do game, porque a busca dos termos “Pokémon Go” na internet superou até mesmo a busca de pornografia, que costuma ser a tristemente significativa campeã.
O grau de alienação e imbecilização promovido por mais essa válvula de escape da vida real chegou a ponto de que o próprio aplicativo tivesse de recomendar aos seus usuários que não jogassem enquanto dirigem – é que um homem bateu com seu carro numa árvore porque, ao volante, estava perseguindo um Pokémon.

Outro dado surreal: o exército israelense se viu forçado a banir o aplicativo entre seus militares temendo o vazamento de informações confidenciais, precisamente porque o jogo capta os dados reais do aparelho de seus usuários. Um novo chamado aos pés na terra veio da polícia de O’Fallon, Missouri, nos Estados Unidos, onde um grupo de adolescentes foi preso sob a acusação de cometer uma série de assaltos contra jogadores do Pokémon Go atraídos durante a noite até lugares ermos. Teriam sido cerca de 11 assaltos a mão armada – e a gangue é formada por adolescentes de 16 a 18 anos. De acordo com as autoridades, o grupo se posicionava perto de um “PokéStop” indicado pelo jogo e só precisava ficar aguardando a chegada dos próximos jogadores que viessem à procura de um Pokémon.Esses quatro jovens criminosos foram pegos, mas o alerta agora é de que a ampla divulgação da notícia pode criar uma onda de crimes semelhantes.

O jogo mal chegou ao Brasil, e vejam as centenas de casos que já temos contra o aplicativo. Obviamente é natural o interesse de jovens e adultos, é novidade e enche os olhos. Mas o cuidado com a vida (nosso maior bem) é mais importante do que capturar pokémons!

Adaptado de Aleteia.

Sobre o Autor

Para para contribuir com nossos trabalhos nos contate pelo e-mail comunicacao@setorjuventudesa.com.br.

1 Comentário

  1. Que texto babaca, ainda mais de uma diocesse que chama o efeito mundial de imbelicidade, por esses julgamentos errados que a igreja católica perde seu poder nos dias atuais. O jogo está propondo um nova experiência social, encontro em parques, pai e filhos brincando, e esse texto pega casos isolados como se fosse uma unica verdade.

Comente pelo Facebook