Vocação: chamado, início de tudo

0

Por Tatiane Faria.

Desde 1981, por iniciativa da CNBB, a igreja no Brasil reserva o mês de agosto para refletir e rezar pelas vocações. Na linguagem secular, vocação é inclinação, por exemplo, para uma profissão. Mas, na linguagem cristã, vocação é muito mais que isso. É chamado!

É chamado de Deus para que O sigamos na construção do Reino. O mês vocacional é oportunidade para refletirmos sobre a importância de nossa vocação cristã e como estamos vivendo no dia a dia, na Igreja e na sociedade, nosso compromisso evangelizador de Batizados. Ser evangelizador é vocação comum a todo católico.

Mas, há as vocações específicas, segundo a diversidade de dons. Assim, a cada domingo de agosto lembramos uma vocação especial. No primeiro, são vocações sacerdotais, um chamado para ser a ponte entre Deus e os homens. No segundo domingo, como é o Dia dos Pais, reflete-se sobre a vocação da família, chamada a gerar vida, a ser testemunhas do amor e da fraternidade. No terceiro, lembram-se as vocações religiosas, chamado para homens e mulheres testemunharem Jesus Cristo de maneira radical. Os últimos lembram as vocações leigas, com os ministérios leigos e o Dia do Catequista. A vocação laica é central para a ação pastoral da Igreja. Os leigos são chamados a ser “sal da terra e luz do mundo”, vivendo de modo concreto a vocação à santidade recebida no Batismo, com o testemunho cristão em todas as esferas da vida.

A nossa vocação revela-se por ação do Espírito Santo e requer oração, jejum, leitura da Palavra e, principalmente, aproximação dos sacramentos da Eucarística e da Crisma. Lembre-se: Deus nos chama por pura bondade. Ele não precisa de nós, mas por Amor, quer precisar. Ante tão infinito amor, não podemos ficar indiferentes! Precisamos assumir nossa vocação cristã católica, compromissadamente.

Sobre o Autor

Para para contribuir com nossos trabalhos nos contate pelo e-mail comunicacao@setorjuventudesa.com.br.

Os comentários estão fechados.

Comente pelo Facebook